Nós somos convidados a trabalhar em nosso tempo de lazer?

No ano passado, eu li na internet, mas eu espero que seja me parece verossímil, uma pesquisa da área de psicologia social do King's College dizendo o seguinte Vejam a atualidade do Freud em 1920 Que as profissões que sobrecarregam o trabalho desse sistema percepção-consciência que exigem, então, atenção constante, respostas velozes a estímulos muito variados durante muitas horas por dia, e o paradigma seria a profissão dos corretores das bolsas de valores Mas não só essa, não é? Todas as profissões de lidar com a velocidade, enfim, provocam estresse, até aí está tranquilo, a gente sabe, entre os profissionais

Mas além do estresse, depois de um tempo de profissão, esses profissionais precisam se retirar, de um afastamento por questões de saúde, porque eles sofrem de desânimo, falta de prazer na vida, sentimento de vazio, inutilidade e falta de sentido de estar vivendo Ora, tudo isso caracteriza um quadro depressivo Hoje, se vocês pensarem bem, nós somos muito convidados a usar o nosso tempo de lazer da mesma maneira que a gente usa o nosso tempo de trabalho Nós trabalhamos no nosso lazer para produzir efeitos de felicidade e de alegria Tanto que nós temos que registrar o tempo todo com o celular que nós estamos tendo lazer

Porque senão a gente não acredita que aquilo é lazer Nós temos que nos fotografar, rapidamente, numa mesa cheia de gente rindo, "agora vamos pra outra, vamos pra balada"

Então, nós vivemos o tempo todo nesse ritmo

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.