Afinal, o que é afeto?

A impressão que eu tenho é de que afetos são como nuvens no céu: inapreensíveis Não é possível pegá-los na mão

Os afetos são sentidos E quando eu manifesto o afeto, o outro sente Eu sinto, e o outro sente Mas é inapreensível A tentativa aqui é mais uma vez a tentativa de controlar isto, de conhecer isto, para ter sobre isto algum controle

Portanto, nada melhor do que dizer que os afetos seriam produzidos pelo organismo e, simultaneamente, orgânico Basta dizer que a sede do amor é o coração Não é isso? Então, parte do corpo, nasce do corpo, e age sobre o corpo Eu tenho dentro de mim, supostamente, um coração que ama, e quando ama, manifesta e altera meu corpo O apaixonado pode dizer exatamente isso

Quando ele está apaixonado, o amor, a paixão, saiu do seu coração, e alterou todo o seu corpo Esta concepção romântica do meu lado aqui, de certo modo, parece ter repercussões importantes porque não se restringiu só a este campo romântico, mas imagine quantos são os afetos, quantas são as manifestações afetivas Pânico afeto Terror, temor, medo A tentativa, primeiro, explicar que isto nasce no corpo, se manifesta e me atinge Qual é a intenção agora? É a de fazer não sentir isto

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.